Conheça um pouco mais sobre a Crotalaria L. (Leguminosae) e seus benefícios






Crotalaria L. (Leguminosae):

As leguminosas do gênero Crotalaria são nativas da Índia, com ampla adaptação às regiões tropicais do mundo. O nome Crotalaria refere-se ao chocalho das vagens secas, semelhante ao da cobra cascavel (Crotalus sp.).


Crotalaria x Nematoides:

A utilização de plantas antagonistas apresenta bons resultados na redução dos níveis populacionais de nematoides em diferentes culturas. Entre elas, espécies de Crotalaria podem ser não-hospedeiras ou hospedeiras desfavoráveis (o nematoide penetra, mas não completa o seu desenvolvimento) e além desses mecanismos, quando incorporadas ao solo, possuem metabólitos secundários com ação nematicida nas raízes, parte aérea e sementes, como o alcaloide pirrolizidínico (APs) denominado monocrotalina.


É importante ressaltar que nematóides dos gêneros Meloidogyne e Pratylenchus são os responsáveis por cerca de 8% das perdas globais de cultivos.


Outros benefícios do uso da Crotalaria :

A Crotalaria forma associação simbiótica com bactérias do solo conhecidas como Rhizobium e aproveita o nitrogênio fixado a partir do ar por esses microrganismos. Assim, ao ser utilizada como adubo verde, reduz a necessidade de aplicação de fertilizantes nitrogenados nas culturas e a grande produção de massa verde faz da Crotalaria excelente planta para cobertura do solo, para produção de matéria orgânica e para o controle natural das plantas daninhas.

Nas duas épocas de plantio (agosto a abril) esses arranjos populacionais proporcionam menor incidência de ervas espontâneas, elevada quantidade de nitrogênio e grande produção de biomassa e de sementes, sendo que a produtividade de biomassa é maior na primavera-verão e a de sementes é maior no outono.

Colheita/dessecação: para adubação verde, normalmente 120 dias após a semeadura (C. juncea e C. spectabilis), pode-se efetuar o corte das plantas, seguido ou não de incorporação da fitomassa produzida no florescimento e no início do surgimento das primeiras vagens.

Consórcio: milho, café, citrus, cana de açúcar, maracujá ou rotação de cultura anual. O consórcio de milho com crotaláriasem linha intercalar, por exemplo, é uma prática agronômica viável e que traz benefícios para o sistema de produção, sem comprometer a colheita e a produtividade do milho. No entanto, a escolha da Crotalaria correta é essencial. Nesse sentido, a Crotalaria spectabilis apresenta valores de produção de biomassa mais satisfatórios em consórcio com o milho.



Bibliografia


Embrapa. (16 de Junho de 2021). Crotalária é uma boa alternativa para a renovação de canaviais. Fonte: Embrapa: https://www.embrapa.br/busca-de-noticias/-/noticia/2380275/crotalaria-e-uma-boa-alternativa-para-a-renovacao-de-canaviais


Flores, A. S. (2004). Taxonomia, numeros cromossomicos e quimica de especies de Crotalaria L. (Leguminosae-Papilionoideae) no Brasil. Universidade Estadual de Campinas.


Garcia, R. A., & Silva, C. A. (2019). Consórcio de milho com crotalária: alternativa para diversificar sistemas de produção sistemas de produção. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento / Embrapa Agropecuária Oeste, 17.


Inomoto, M. M., & Asmus, G. L. (2009). Culturas de cobertura e de rotação devem ser plantas não hospedeiras de nematóides. Visão Agrícola, 112-116.


Lopez, R. E., & Pacheco, J. d. (2010). Genus Crotalaria L. (Leguminoseae). Revista Fitos, 5, 43-52.


Pereira, A. J., Guerra, J. G., Moreira, V. F., Teixeira, M. G., Urquiaga, S., Polidoro, J. C., & Espindola, J. A. (2005). Desempenho Agronômico de Crotalaria juncea em Diferentes Arranjos Populacionais e Épocas do Ano. Comunicado Técnico 82 - Embrapa, 4.


Pinheiro, J. B., Pereira, R. B., Carvalho, A. D., & Rodrigues, C. d. (2013). Manejo de nematoides na cultura do quiabeiro. Circular Técnica 127 - Embrapa, 1-7.


Santana, S. d. (2011). Manejo de nematoides por plantas antagonistas, em solos do noroeste do Paraná, cultivados com cana-de açúcar e olerícolas. Maringá.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo